quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Férias 2019 - Parte I

Castelo de Folgosinho - Gouveia

Este ano as minhas férias sairam um pouco da rotina habitual. Optei por fazer umas incursões pelo interior do país aproveitando para conhecer novos trilhos por essas zonas.
A opção do interior surge um pouco como oposição à praia, a escolha habitual dos portugueses, mas também por algumas saudades daquele ar quente e seco do interior, que me ficaram marcadas na memória pelos quatro anos que estudei na Universidade da Beira Interior - Covilhã (até pensar bem na vida e ir acabar o curso a Coimbra, já a trabalhar… :) ).
Lagoa Comprida - Serra da Estrela
A ideia foi posta em prática sem grande planeamento, apenas com a aquisição de uma tenda de campismo, um saco cama, um fogareiro “campingáz” e alguns apetrechos necessários, tais como um roteiro de campista.
Meti-me à estrada rumo à Serra da Estrela tendo em vista um qualquer dos parques assinalados no roteiro. As coordenadas do Gps levaram-me à primeira opção, um parque na zona de Gouveia, chamado “Curral do Negro”, que afinal se encontrava encerrado para obras; pelo que percebi, tinha sido atingido pelos incêndios de 2017 (o roteiro de 2019 ainda desconhecia esse facto!...).
Havia que refazer planos rapidamente, até porque o dia já ia avançando; tinha perdido mais de duas horas na viagem devido ao corte de estradas por causa da volta a Portugal em bicicleta. A opção foi outro parque assinalado no roteiro, também na zona de Gouveia, num lugar chamado Melo.

De facto, a Quinta das Cegonhas, assim se chama este empreendimento, é na verdade bem mais do que um simples parque de campismo. Trata-se de uma quinta típica da Beira Alta, com um magnífico solar restaurado e vocacionado para turismo rural.
Além do solar e do espaço para tendas e caravanas, dispõe também de cabanas para alugar. Tem ainda uma excelente piscina, um bar com esplanada e um restaurante.
Apesar de todas a ofertas disponíveis, acaba por ser um local sossegado, ideal para famílias, o que constituía a quase totalidade da ocupação.
Por último há que referir que esta quinta é propriedade e gerida por uma família holandesa, nacionalidade também da maioria dos turistas que lá estavam por essa altura.
Bom, após “armar a barraca” fui estudar os percursos da zona, disponibilizados numa pequena biblioteca da quinta, a fim de dar um passeio em passo de corrida na manhã seguinte.
Decidi-me por um percurso de Pequena Rota, com cerca de 10 km, que passa mesmo junto à entrada da quinta.
Não encontrei na internet o mesmo percurso em Gps pelo que teria de me fiar nas marcações e ir com atenção.


Primeiro dia - Melo (Gouveia)
No dia seguinte levantei-me cedo, preparei um pequeno almoço ligeiro, um café feito na minha velha cafeteira “italiana”, e lá fui eu à descoberta da zona, pelo tal percurso escolhido na noite anterior.

 À parte de um engano inicial devido a falta de atenção às marcas de sinalização, acabou por ser um passeio muito agradável, com alguma dureza sim, devido ao desnível positivo de 500 metros, concentrado na última parte da volta. Bonitas paisagens, uma passagem por uma zona de uma antiga exploração de volfrâmio, devidamente assinalada por um painel explicativo.

A exploração destes minérios teve o seu auge nos tempos da segunda guerra mundial, declinando e terminando logo após o fim da guerra.
Terminado o treino segue-se uma boa sessão de relaxamento na piscina da quinta, almoço, e uma visita à Serra da Estrela, agora de carro, para relembrar paisagens que já não via há muitos anos...


Segundo dia - Lagoa Comprida
Rumo à serra a fim de fazer um percurso circular partindo da Lagoa Comprida, passando pela Barragem de Vale do Rossim.


O ficheiro foi descarregado de véspera do site Wikilocs para o Garmin, reduzindo assim as probabilidades de me perder!
Este percurso tem cerca de 20 km, sem dificuldades de maior,uma vez que se desenrola em zona de planalto.
As paisagens na primeira parte do percurso são portentosas, com atravessamento de uma ou outra barragem.

Barragem do Covão do Curral
Vê-se ao longe a aldeia do Sabugueiro separada por um profundo vale.
Aldeia do Sabugueiro

Na barragem do vale do Rossim o percurso inverte o sentido em direção a sul, por carreiros às vezes tapados por vegetação rasteira mas que o Garmin não deixa afastar do caminho certo.
Lagoa Comprida

Terceiro dia - De Folgosinho a Linhares da Beira
Castelo de Folgosinho
Uma vez mais socorri-me do sítio Wikilocs para escolher um percurso na zona de Gouveia, tendo encontrado este, de cerca de 20 km, com origem na aldeia típica de Folgosinho, subindo umas encostas da serra, descendo depois para Linhares da Beira.
Castelo de Folgosinho
A aldeia de Folgosinho é um bom exemplar de conservação, tem uma espécie de castelo, digo espécie porque se resume a uma torre circular com duas guaritas; deve ter servido como ponto avançado de vigia ou pouco mais.
Linhares da Beira, pelo contrário, já tem um castelo a sério, devendo ter desempenhado um papel importante na defesa desta zona nos primórdios da nacionalidade.
Castelo de Linhares da Beira

Castelo de Linhares da Beira

A tarde é dedicada a uma visita à cidade da Guarda onde calcorreio a zona histórica, com especial interesse na velha Judiaria.

E assim foi a primeira etapa desta aventura.

Não perca o próximo episódio: “Por terras de Marvão, Castelo de Vide e Espanha”, brevemente num blogue perto de si 😀

3 comentários:

  1. Muito bom!

    No meu caso sei que não posso só comprar a tenda, terei que procurar bungalows (alguém não gosta de acampar e o meu filho é escuteiro, logo ;)) ou algo parecido mas é decididamente algo a fazer!

    Férias diferentes mas muito boas, de certeza.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, a Quinta das Cegonhas servia perfeitamente para as tuas necessidades visto ter todas essas opções (atenção que não tenho qualquer comissão no negócio :)
      Abraço

      Excluir