sábado, 10 de setembro de 2016

9ª Corrida dos Moinhos de Penacova

28 de agosto de 2016.
E foi mais uma Corrida dos Moinhos de Penacova,  a sua 9ª edição.
A “Squadra” PelaEstradaFora esteve na sua força máxima, com três atletas na corrida e outros tantos na caminhada.
Um lugar de pódio para o atleta Paulo Amaro, que obteve o 9º lugar de escalão, e muito divertimento para todos os outros.
Para quem ainda não conhece, esta prova faz parte do calendário de corridas de montanha, um conceito que se distingue do trail na medida em que grande parte dos percursos são em caminhos florestais, aventurando-se pouco por single tracks.
Com estas características, a corrida propriamente dita, predomina relativamente à vertente técnica, enquanto que, em algumas provas de trail a componente técnica é explorada até aos limites (Trilhos dos Abutres e outros que tais…).
Não há nada a acrescentar ao que já se disse em relação às edições anteriores em que participámos, 2012, 2013, 2014 e 2015, tendo inclusivamente constatado com agrado alguns aspetos a ser melhorados de edição para edição.
Apesar de tudo, continuo a achar que o ponto de excelência desta prova é mesmo o convívio no final.
Como o tempo necessário para concluir a prova é relativamente curto e havendo almoço incluído, não há a debandada geral que se verifica na maior parte das provas de trail, sobretudo as de longa duração, em que nalgumas ocasiões me vi pessoalmente na linha da meta sozinho com um ou dois membros da organização a controlar o tempo e ninguém mais. Não digo que esse aspeto nos trails é mau, apenas é assim porque são provas diferentes, em que os atletas de pelotão podem terminar várias horas após os atletas de elite!
Enfim, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa :)

Fiquem bem e boas corridas! 

Todas as fotos foram "sacadas" do Facebook do atleta Jorge Martins, que desta vez esteve como fotógrafo, ou do arquivo da organização no Flickr:)


Todas as fotos foram "sacadas" do Facebook e do arquivo da organização no Flickr:)










O Sam em excesso de velocidade fez tremer a foto :)

O Trincas a pensar: - Para o ano também vou...



domingo, 14 de agosto de 2016

Serra da Boa Viagem - Figueira da Foz

A duas semanas do Corrida dos Moinhos de Penacova houve lugar a um treino XL a fim de sacudir a preguiça, há muito instalada por estas bandas!
Com o colega de equipa Paulo Amaro, desenhou-se um treino na Serra da Boa Viagem – Figueira da Foz, que basicamente foi um telefonema tipo:
“- Pá, e se fizéssemos um treino este fim de semana?
 - Bike para o Caramulo com o Sam?
 - Ná… aquilo anda tudo a arder, deve ser asfixiante…
 - Praia, areia ou floresta?
 - Hummm, é muito plano…
 - Então vamos para a Serra da Boa Viagem, 30k!
 - Deixamos os carros na praia de Quiaios junto aos chuveiros, para tomar banho no final!
 - Bota lá isso no face para ver se há mais algum doido que alinhe…”.

Enfim, falar é fácil, esquecia-me apenas que, desde março que não passava da barreira dos 30k!
O resultado final foi um valente empeno, ou melhor, foi terminar no mais completo estado de exaustão, quando já, nem para comer restavam grandes forças:)
Resultado final de 34,64 km com 1.044m D+, algum calor embora nada de especial.
Uma manhã que passou a correr!

Boas corridas!
Praias de Quiaios

Estrada da serra


Piscinas e court de ténis da "Casa dos Cogumelos" em primeiro plano

o "Je"


O atleta Paulo Amaro

Novos passadiços na praia de Buarcos

À passagem pela "esplanada" da Figueira

Subindo o parque das Abadias

Subindo já a serra. A Figueira lá em baixo...

Em plena serra, perto da "Bandeira"

Fósseis. É impossível andar na Serra da Boa Viagem sem tropeçar em fósseis
S

Miradouro da Bandeira







Descendo para a Praia de Quiaios


segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Corrida do Bodo 2016 - Pombal


Em tempos, esta corrida englobada nas festas da cidade de Pombal teve o formato de meia maratona. Com o passar dos anos redesenhou-se para uma versão de dez quilómetros estando atualmente bem consolidada no calendário, sobretudo na zona centro do país.
A corrida é constituída por um circuito urbano de três voltas, o que significa que há sempre contacto com o público.
De facto, quando se idealiza uma prova no contexto de uma cidade pequena é importante não embarcar na ambição de distâncias superiores que, invariavelmente obrigam a levar corrida para  estradas marginais"áridas", desprovidas de qualquer beleza e com o único objetivo de somar distância.
Participei nesta prova pela primeira vez na edição do ano passado tendo ficado absolutamente fã!
A distância de dez quilómetros não é propriamente onde me dou melhor, uma vez que, velocidade nunca foi o meu forte. Por outro lado, o facto de o percurso ser ligeiramente a subir num dos sentidos causa- me sempre alguma dificuldade, com perda de tempo que não consigo recuperar totalmente na fase da descida.
Quanto aos aspetos positivos destaco o facto de ser um percurso de três voltas o que permite gerir o esforço de forma muito rigorosa e saber quando "atacar" dando tudo o que (ainda) temos!
Nesta edição perdi alguns segundos relativamente a 2015, fixando o tempo em 44:00 (mm:ss).
Mais uma vez, senti grandes dificuldades até metade da prova, e quando comecei a entrar no ritmo, acabou-se a "brincadeira"! Ora bolas...
Como nota de rodapé continuo a achar algo ridículo o facto de muitos atletas quererem partir de posições mais dianteiras do que efetivamente correm, obrigando quem vem de trás ir sempre a ultrapassar aos zig-zagues. Esta prova tem zonas de partida marcadas para os tempos previstos de chegada, cabendo a cada atleta a opção de escolher em consciência a sua posição natural na linha de partida. Mas enfim, alguns lá julgam que os primeiros 300 metros são os que realmente importam... Nada de novo também...
Em conclusão, uma belíssima prova a não perder, bem organizada, muito público na estrada e um ambiente de alegria generalizado uma vez que decorrem as festas da cidade!
Boas corridas e boas férias se for o caso!